Artigos

Nanotecnologia: Ponderação entre desenvolvimento científico e proteção da vida

*Por Patrick Maia Merisio

A atividade econômica no século XXI tem se caracterizado por constantes inovações e mudanças em escala não apenas linear, mas exponencial. Os principais aspectos nesta economia amplamente baseada na tecnologia de ponta são: a economia digital, a inteligência artificial, a internet das coisas. A nanotecnologia está na base de todas as principais mudanças tecnológicas, com reflexos importante na sociedade, cultura e varias outras esferas. Por nanotecnologia, entendemos o conjunto de ações de pesquisa, desenvolvimento e inovação, com a organização da matéria a partir de estruturas de dimensões nanométricas. Nanomateriais possuem uma dimensão inferior a 100 nanômetros, sendo que um nanômetro constitui um bilionésimo de um metro. Sua aplicação é demasiada extensa em atividades como es tética, beleza, farmacêutica, siderurgia, cimento, microeletrônica. Chips e sensores, cada vez mais, derivam de nanotecnologia.

Ao mesmo tempo em que a nanotecnologia, abre todo um leque de possibilidades de materiais mais leves, fortes e duráveis, o que pode ser vital para o desenvolvimento sustentável e a proteção do meio ambiente, aumentam potencialmente riscos invisíveis (imperceptibilidade, inclusive em termos da ausência de mecanismos seguros para avaliar o riscos), imprevisíveis, globais e intertemporais (com possibilidade de comprometer gerações futuras de forma irreversível).

Desta forma a utilização de nanoprodutos deve adotar uma ótica diferente e precaucionista, não sendo o caso de aguardar o dano para depois agir e remediar (o que pode ser inclusive impossível) mas sim antever já na fase de projeto possíveis riscos, identificando-os e concretizando previamente medidas de proteção. O sistema da UNIÃO EUROPÉIA para proteção da saúde de trabalhadores, consumidores e sociedade em geral adota como parâmetro geral o SAFE BY DESIGN, no qual o produto só chega ao mercado depois de testes rigorosos conduzido por pesquisadores independentes de diferentes países. Tal sistema de regulamentação é conhecido como NANOREG, sendo que o Brasil conseguiu se inserir nesta rede de cooperação internacional.

O Brasil não pode se furtar de buscar o desenvolvimento científico, sendo que de pesquisas derivadas de aplicações de nanotecnologias podem derivar conseqüências

fabulosas para a saúde e prevenção de várias doenças. Por outro lado, não se devem desprezar também riscos extremos como a fabricação de nanorrobôs replicadores, que eliminem toda a matéria e vida em seu processo de autorreplicação.

Talvez uma melhor perspectiva seja considerar de forma séria os riscos e benefícios, impedindo que o exagero em uma das pontas impeça a busca da sustentabilidade. Nada impede que a sustentabilidade ambiental e a econômica sejam otimizadas em um processo no qual uma fortalece a outra de forma interdependente e complementar.

A sociedade deve participar de todo o processo, não é uma iniciativa exclusiva dos cientistas ou de instituições governamentais. Os impactos têm que ser ponderados sempre, pois é o próprio conceito e a possibilidade de vida de todo o ecossistema planetário que se encontram em risco.

O Ministério Público do Trabalho deve agir, desta forma, a favorecer o desenvolvimento científico (ameaçado inclusive por concepções obscurantistas que atravancam o desenvolvimento e a democracia, pretendendo impor concepções ideológicas sem qualquer razoabilidade, tais como a não aceitação da globalização, sendo que até mesmo laboratórios de certificação de produtos no Brasil trazem equipamentos doados pela União Européia) que favoreça o crescimento da economia e a geração de empregos e, ao mesmo buscar a sustentabilidade da vida (urgente novamente reforçar a centralidade da prevenção).

Ainda se inicia no Brasil o processo de regulamentação da nanotecnologia, mas já existem inúmeros nanoprodutos no mercado. O MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO deve agir de forma antecipadora, fomentadora e cooperativa com outros órgãos públicos (em especial a FUNDACENTRO e o MINISTÉRIO da CIÊNCIA) e mesmo privados (há forte atuação neste campo por exemplo da UNISINOS) de forma a garantir a prevalência da prevenção e da precaução, garantindo desenvolvimento econômico e social (as receitas com esta tecnologia podem ser, sem exagero, de dezenas ou até mesmo centenas de bilhões de dólares) e protegendo de forma indivisível a saúde e a segurança dos trabalhadores e consumidores dos nanomateriais.

 

* Patrick Maia Merisio é procurador do Trabalho e atua na unidade do Ministério Público do Trabalho em São Paulo.

Autor

foto de
PATRICK MAIA MERISIO

PRT 2ª/SP

Os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam, necessariamente, a opinião da ANPT.

Contato

 
SBS Quadra 2 Bloco "S" Ed. Empire Center
Salas 1103 a 1108 11º andar
Brasília/DF CEP: 70070-904
 
(61) 3325.7570 e Fax.: 3224.3275
 
anpt@anpt.org.br